Detalhes

Maior incidência de raios redobra atenção com a instalação de para raios

Publicado em 09 de janeiro de 2017 às 16:46, com última atualização em 10 de janeiro de 2017 às 11:47

Temporada de chuvas com relâmpagos e trovões demanda cuidados na manutenção e instalação de para raios em prédios públicos e edifícios altos.

Nessa época do ano, os acidentes causados por raios, são mais freqüentes. A combinação de umidade e altas temperaturas formam o ambiente ideal para a formação de descargas elétricas, e o Brasil é o país recordista de descargas elétricas no mundo. Uma forma de proteção contra essas descargas elétricas são os para raios.

Prédios públicos e edifícios altos são obrigados por lei a instalar o equipamento. O para raio funciona como um facilitador do caminho do raio, como explica o subgerente de Relacionamento Institucional  Eng. Eletricista Eduardo Armando Altoé. “Toda corrente elétrica busca chegar ao solo. O para raio, nada mais é do que o final de um circuito elétrico que busca direcionar esse raio até a terra, evitando que essa corrente passe por outro caminho e gere prejuízos.”

“O equipamento deve sempre estar posicionado acima das antenas de TV e demais estruturas. O raio, como descarga elétrica, irá buscar o melhor caminho, se houver um equipamento mais alto que o para raio, a probabilidade dele se direcionar para essa estrutura é maior, por isso a importância do para raio de ser o ponto mais alto de um edifício”, destaca o Engenheiro.

É preciso lembrar, que como todo equipamento de proteção, o para raio também possui uma vida útil, que pode variar de acordo com a manutenção e o local de instalação.  “O mais importante na manutenção de um para raio são as conexões, desde a haste que fica no topo das edificações, até a haste de terra”, comenta.

Eduardo lembra que durante as tempestades, em casa ou fora dela, existem riscos que podem ser evitados com medidas simples, como se afastar de árvores e terrenos abertos, não permanecer perto de redes elétricas, e evitar o contato com qualquer objeto de estrutura metálica ou similar.

Confira na íntegra a entrevista com o Engenheiro Eletricista Eduardo Armando Altoé.

Kayque Fabiano
Comunicação do Crea-ES


Clique aqui para voltar